Feeds:
Posts
Comentários

Archive for junho \21\UTC 2013

manifestaçãoPor Carlos Moreira
O dia 20 de junho de 2013 entrará para a história do Brasil. Gerações que nos sucederão lembrarão desta data como o dia em que a maior das arquibancadas foi as ruas das metrópoles e cidades do interior, e não os assentos dos campos de futebol.
De norte a sul o país se uniu numa só voz e foi protestar contra os descalabros dos políticos e os desmandos dos governos, independente de afiliações partidárias e de ideologias. Hoje se sabe que a manifestação já está para bem além dos problemas nos transportes. Reflete, na verdade, uma indignação generalizada contra as questões mais graves da nação.
Ao contrário do que sempre se viu, não estamos diante de um ato político-partidário, orquestrado pelo oportunismo dos “insatisfeitos” com os que estão circunstancialmente no poder. Não! Foi uma explosão da indignação do povo – jovens, velhos, estudantes, famílias, trabalhadores e donas de casa – todos foram as ruas para manifestar uma nova consciência prevalente, um sentimento pulsante alimentando a batida de um novo coração. E na voz desta gente há uma só canção: “tem que mudar!”.
 
De tudo o que presenciei, todavia, o que mais me animou foi ver a igreja nas ruas. Em pleno século XXI, surge uma nova igreja, com novas características, e ela está para além das denominações, dos condicionamentos escravizantes, da alienação do pensar, das amarras do agir, da petrificação do coração.
 
A igreja foi às ruas! Enfim, saiu de dentro dos templos! Uniu a oração com a ação, fez o jejum que interessa a Deus, que é aquele que solta às ligaduras dos oprimidos. Deixou de olhar apenas para as demandas espirituais e percebeu que existem questões prementes ligadas ao social. Entendeu que o Reino de Deus não é só feito de “língua estranha”, santificação e estudo bíblico, mas também de justiça, paz e alegria no Espírito Santo! Rm. 14:17.
 
A igreja está nas ruas, não como uma facção esquartejada, mas como a união de muitos cidadãos. Ela percebeu que a religião que agrada a Deus tem a ver com as “demandas da Terra”, e não apenas com uma busca alienante pela vida eterna. Ontem, através de atitudes, tornou possível a união de duas lindas canções: “podes reinar, Senhor Jesus, oh sim!” e também “vem, vamos embora… quem sabe faz a hora, não espera acontecer!”.
 
Eu creio que a igreja que a sociedade brasileira deseja ver é sensível a injustiça, aos problemas éticos, as questões ambientais, ao diferente, a má distribuição de renda. A igreja que melhor representa Jesus é aquela que faz o que ele fez, acolhendo ao caído, libertando o oprimido, sensibilizando-se com os encarcerados sociais e também com os que estão algemados pelo pecado.
 
É tempo de mudança! Quem não for capaz de entender este momento, quem não discernir o que “o Espírito diz as igrejas”, ficará definitivamente preso a uma espiritualidade oca, que apenas produz entorpecimento de mente e cauterização de coração.
 
Fiquem todos atentos, pois o Senhor está nos convocando para “pregar boas novas aos quebrantados”, para “livrar todos os cativos”, “consolar todos os que choram”, afim de que possamos ser chamados “carvalhos de justiça, plantados pelo Senhor, para sua glória”.   
____________________________________________
Extraído do site Genizah *
tau
Anúncios

Read Full Post »

tau_franEspiritualidade que contempla a Deus e despreza o próximo é falsa e impostora. Uma espiritualidade contemplativa que não desemboca numa espiritualidade ativa é no mínimo manca e estranha às páginas bíblicas e a história da igreja.

Quando o apóstolo João declarou na sua 1ª carta que não se pode amar a Deus a quem não vemos e ao mesmo tempo odiar o ser humano a quem vemos, não foi um mero eufemismo. Ali estava descrito um dos pilares do pensamento místico contemplativo, o qual é essencialmente um movimento de amor. 

Se contemplamos a Deus, experimentamos a Deus, estamos em união com Deus em Cristo, e nele fomos feitos filhos de Deus, o qual é amor, não nos resta caminho a trilhar a não ser o que o próprio Senhor trilhou e descreveu como sendo o “Grande Mandamento”: amar a Deus e ao próximo como a nós mesmos. 

Parece-nos que um  depende do outro. Que ter um em detrimento do outro é sofrer de paupérrima vida espiritual. Amar a Deus e amar o homem, feito à imagem de Deus, constitui-se nos dois lados de uma mesma moeda chamada de espiritualidade cristã.  Da mesma forma que uma moeda cujo valor encontra-se na presença de suas duas faces, a espiritualidade genuinamente cristã encontra sua legitimidade e riqueza no amor a Deus que faz surgir, nutre e nos impulsiona o amor na direção de nosso semelhante.

Jesus disse que quando alimentamos o faminto, damos água ao sedento,roupas para o nu, hospitalidade para o estrangeiro e atenção e presença para os enfermos e encarcerados, num primeiro momento, é para ele que estamos fazendo todas essas coisas. Eis o grande mistério: quando encontramos a face sofrida de nosso próximo, contemplamos de forma mística a face do Cristo sofredor que geme em dores através das chagas da injustiça, do descaso, do egoísmo aos quais homens e mulheres pela vida á fora estão sujeitos.

Acolhê-los é acolher o Cristo. Beijar sua face é beijar a face do próprio Senhor. 

Depois do Senhor e seus apóstolos, talvez Francisco de Assis seja o grande modelo de uma espiritualidade genuinamente evangélica.trabalho Evangélica não no sentido da confissão cristã da qual fazia parte, mas, que foi extraída diretamente da leitura e meditação que o pobrezinho de Assis periodicamente realizava nas páginas do Novo Testamento, especificamente nos 4 evangelhos. Ali ele percebeu que a verdadeira imitação de nosso Senhor consistia na busca apaixonada da face de Deus e no acolher, socorrer e ministrar ao próximo.

Francisco iniciava o dia com seus seguidores com momentos de silêncio, solitude e contemplação, para logo depois saírem pelas aldeias conclamando as pessoas a se arrependerem de seus pecados e crerem no evangelho. Após isso eles se dirigiam ao leprosário da cidade para ali pregarem o evangelho de uma outra forma: cuidando das feridas pulorentas e repugnantes dos enfermos. Em outras palavras: simplesmente amando aquelas pessoas que eram desprezadas e abandonadas por toda a sociedade da época. Contam os biógrafos do pobre de Assis que o amor que Deus concedeu em seu coração por aqueles enfermos foi tamanho que ele chegava ao ponto de beijar a face danificada pela  enfermidade daquelas pessoas. Deveras, como nos afirmam as escrituras “o verdadeiro amor lança fora todo o medo”. 

Em meio a uma época em que alguns seguimentos da igreja têm se caracterizado pela espiritualidade manca testificada por sua atitude beligerante de ataques cheios de ódio, difamações, calúnias e coisas desse gênero, faz-nos de extrema urgência retornarmos a fonte límpida e revigorante de uma espiritualidade bíblica que tem no amor abnegado, sacrificial, incondicional e sem explicação pelo próximo uma expressão eloquente e apaixonada do amor que dizemos nutrir por Deus e de Sua maravilhosa graça disponível a todos.

Está na hora da “moeda” recuperar o seu valor pela presença de suas duas faces: contemplação e ação; amor a Deus e amor ao próximo; Maria quedada aos pés do Senhor e Marta que serve, em amor, ao Senhor. 

Pois, por maiores e mais mirabolantes que sejam nossas peripécias espirituais, se nos faltar o amor tudo não passará de barulho que incomoda, discurso vazio que nada mais é do que pura verborragia, e de sal que já não dá mais sabor, servindo apenas para ser pisado e desprezado pelos homens.

Paz e bem!

420641_366224566815984_203065703_n

tau

Read Full Post »