Feeds:
Posts
Comentários

Archive for abril \23\UTC 2015

SDC14136A espiritualidade cristã constitui o horizonte mais amplo em que se emoldura a espiritualidade franciscana. Pode-se dizer que espiritualidade franciscana é uma maneira original de viver a espiritualidade cristã, um modo específico de pensar, de viver e de colocar em prática o Evangelho de Jesus Cristo. Uma forma de situar-se no mundo, diante de Deus e dos homens, uma forma de relacionar-se com toda a realidade: pessoas, coisas, Deus.

Quando se fala de espiritualidade franciscana, está-se falando da espiritualidade de um grupo que busca partilhar, entre si e com a sociedade em que vive, o seu modo de viver que teve seu início com Francisco de Assis. É praticamente impossível compreender a espiritualidade franciscana, se não soubermos pelo menos um pouco sobre Francisco de Assis. Isso porque ele encarnou tão profundamente a espiritualidade do Evangelho em sua existência que se torna impossível falar da espiritualidade franciscana sem falar da existência de Francisco. Espiritualidade e existência identificam-se em Francisco.

Seguimento de Jesus Cristo: base da espiritualidade de São Francisco

O encontro de Francisco com Cristo na palavra do Evangelho tem algo semelhante ao encontro de cada um dos apóstolos com Jesus. O encontro dos apóstolos com o Mestre resultou em um chamado: “Segue-me”. O de Francisco, igualmente. Francisco toma consciência de que viver o Evangelho só pode ser uma realidade, quando se segue Jesus de perto. Por isso, nos escritos de Francisco, encontramos, freqüentes vezes, a expressão “seguir a Cristo”. Na regra que apresentou ao Papa Inocêncio para a aprovação, em vez de repetir a expressão “viver o Evangelho”, ele fala em seguir a doutrina e as pegadas de Jesus Cristo e cita textos do Evangelho que mostram, com clareza, a idéia e a decisão do seguimento de Cristo: “Se queres ser perfeito, vai e vende tudo que tens e dá aos pobres e terás um tesouro no céu, e vem e segue-me” (Mt 19,21 e Lc 18,22). E, “se alguém quiser vir após mim, renegue-se a si mesmo e tome a sua cruz e siga-me” (Mt 16,24) (RnB 1,2-4). Mais adiante, na mesma regra, ele exorta os irmãos: “Todos os irmãos se esforcem por seguir a pobreza e a humildade de Nosso Senhor Jesus Cristo” (RnB 9,1).

A expressão “seguir a Cristo” ou “seguimento de Jesus Cristo” merece uma reflexão. Na maioria das vezes, quando se fala em seguir Jesus Cristo, pensa-se em termos de imitação ou de repetição daquilo que Jesus fez. Mas não se trata de reproduzir os gestos e palavras de Jesus à maneira de fotocópia. Com a expressão “seguir a Cristo”, a própria tradição oral dos Evangelhos não entendia a reprodução fiel daquilo que Jesus fazia. Compreendia que, a partir daquele momento, estabelecia-se uma relação especial entre Jesus e aquele que fora chamado a segui-lo. “Seguir” quer indicar esse relacionamento de proximidade.

Surge-nos então a pergunta: que tipo de relacionamento se estabelecia entre Jesus e os que o seguiam? O relacionamento vem traduzido no binômio mestre-discípulo. São dois termos tomados do mundo dos artesãos. Desde a Antiguidade, os artesãos que ensinavam seu ofício a outras pessoas, geralmente jovens, eram chamados de mestres; os aprendizes eram denominados discípulos. Os discípulos faziam tudo para assimilar a técnica, o toque, a maneira especial de trabalhar de seu mestre. Bom discípulo era aquele que mais se aproximava de seu mestre na técnica de seu ofício.

Só que, com o Mestre Jesus, os discípulos não aprendiam um ofício, mas a arte de viver, de relacionar-se com os outros, de estar em contínua referência a Deus, de perceber a realidade. Ser discípulo, então, não significava repetir o que o mestre fazia, mas assimilar aquela maneira de ser e de viver.

Seguir a Cristo, portanto, significa estabelecer com Jesus Mestre a relação de discípulo. E o discípulo, nessa relação com o mestre, passa, pouco a pouco, a assimilar os mesmos critérios de ação do mestre, a posicionar-se na mesma ótica de leitura da realidade, a ter os mesmos sentimentos e, inclusive, a mesma vontade. Por exemplo, a vontade de Jesus Cristo é sempre vontade salvífica, isto é, vontade que quer, acima de tudo, a salvação das pessoas. Os discípulos, em seu empenho de aproximar-se do mestre, começam a educar sua vontade a querer também, acima de tudo, a salvação das pessoas. Seguir a Cristo ou ser seu discípulo é, segundo a palavra de São Paulo, ter o mesmo sentimento de Cristo Jesus (cf. Fl 2,5; Cl 3,12-17).

Desse modo, ser discípulo de Jesus não significa aprender a fazer muitas coisas, mas a fazer todas as coisas com uma determinada marca de qualidade. E é essa marca de qualidade que os discípulos aprendem com o Mestre Jesus.

Com o propósito de viver o Evangelho ou de seguir a Cristo, Francisco procurou, de corpo e alma, a relação com o Cristo Mestre. Aceitando o convite do Mestre para ser seu discípulo, colocou-se num processo de aprendizagem: queria aprender do mestre sua maneira de viver, de sentir, de pensar, de perceber a realidade, de agir e de relacionar-se. Buscava essa relação de proximidade com Cristo por meio da oração e da leitura do Evangelho. Quando não sabia, por exemplo, como agir em determinadas circunstâncias, Francisco lia o Evangelho para buscar, segundo sua expressão, o conselho do Mestre (cf. 2Cel 15; AP 10). Não com o intuito de executar à risca o que lia, mas de agir como Jesus agia. Nada mais importante para ele do que se imbuir do espírito do Mestre. E nessa busca, investia tudo: abandonou os bens, a família, os antigos amigos de festas. Colocava em prática o conselho evangélico: “Se alguém considera seus familiares e amigos mais do que a mim, não pode ser meu discípulo” (cf. Lc 14,26).

________________________

Extraído do site Franciscanos

tau

 

Anúncios

Read Full Post »